A 4ª Onda da Pandemia da Covid-19: Ansiedade, Estresse e Depressão

Prevenção contra o Coronavírus
Prevenção contra o Novo Coronavírus
3 de abril de 2020
Entendendo a ansiedade relacionada à Covid-19
A Ansiedade Relacionada à Covid-19
4 de maio de 2020
Exibir tudo

A 4ª Onda da Pandemia da Covid-19: Ansiedade, Estresse e Depressão

A 4ª Onda da Pandemia da Covid-19: Ansiedade, Estresse e Depressão
Compartilhe

Depressão, Transtornos de Ansiedade e Estresse: o aumento de casos relacionados a Covid-19 e a 4ª onda.

Por Dr. Marcionilo Laranjeiras, Psiquiatra e Diretor Clínico

A Depressão, os Transtornos de Ansiedade e os relacionados ao Estresse eram endêmicos no Brasil e no mundo, mesmo antes da pandemia da Covid-19. Entretanto, epidemiologistas em todo o mundo têm alertado os governos para um aumento exponencial de casos relacionados à Covid-19, atualmente em curso.

Indícios disto apareceram num inquérito sobre doenças mentais durante a fase inicial na China. Neste estudo, mais da metade dos respondedores de um inquérito populacional apresentaram sintomas moderados a severos de ansiedade, depressão e estresse (Wang, 2000).

A figura abaixo mostra uma projeção sobre a evolução da Pandemia de Covid-19 e suas consequências sobre a saúde física e mental das populações nos próximos meses.

Evolução da Pandemia e a 4ª Onda: ansiedade, depressão e estresse.

Evolução da Pandemia e a 4ª Onda: ansiedade, depressão e estresse.

Consequências que vão além da pandemia

Vemos que o aumento dos pacientes graves pela Covid-19 da 1ª Onda da pandemia em curso já sobrecarrega as equipes de saúde e consome insumos. Isto já está acontecendo em diversas partes do mundo. Concomitante, os casos de emergências que não tem relação com Covid-19, como infarte agudo do miocárdio, crises diabéticas (2ª Onda), dentre outros, continuam chegando ao pronto socorro com demanda de leitos de UTI.

Isto é, todo este remanejo das equipes para atendimentos de casos agudos e o receio do paciente de sair de casa, interrompem os cuidados preventivos de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, cardiopatia e obesidade. Além disso, isto também sobrecarregará a rotina de clínicas, consultórios e de outros serviços básicos de saúde (3ª Onda).

Projetamos que a “4ª Onda” de consequências psíquicas da pandemia deverá se sobrepor às anteriores e superar o número de casos já enfrentados pelo sistema de saúde no mundo. Um número alarmante de transtornos mentais, como os transtornos de ansiedade, a depressão e o transtorno de estresse pós-traumático desafiará os sistemas de saúde do mundo nos próximos meses a anos.

E como devemos agir?

Nestas alturas, já dispomos de informações sobre como as pessoas devem agir para “achatar a primeira curva”, para reduzir a propagação do vírus. Mas, e como mitigar a 4ª curva? As pessoas precisam agora mesmo de uma boa estratégia para melhorar sua saúde física e mental, ainda durante esta quarentena.

Vamos utilizar este tempo não só para nos protegermos do vírus, mas também para fortalecer nossa saúde emocional. Precisamos de um plano concreto, baseado em ciência sólida e de determinação para implementá-lo. Portanto, quando chegar o dia de sair da quarentena (isto será gradual), que seja o mais rápido e seguro possível. Entretanto, é essencial que as pessoas busquem ajuda de profissionais especializados em saúde mental, sempre que o nível de desconforto estiver acima do suportável.

REFERÊNCIAS:

  1. Wang C, Pan R, Wan X, et al. Immediate Psychological Responses and Associated Factors during the Initial Stage of the 2019 Coronavirus Disease (COVID-19) Epidemic among the General Population in China. Int J Environ Res Public Health. 2020;17(5):1729. Published 2020 Mar 6. doi:10.3390/ijerph17051729
  2. Victor Tseng: https://twitter.com/VectorSting

Se precisar, fale conosco

Se você tiver alguma dúvida, entre em contato com a Núcleo de Atenção ao Desenvolvimento Humano clicando aqui. Estamos mantendo nossas atividades seguindo as medidas preventivas de segurança, conforme as orientações da OMS para a pandemia do Coronavírus.

Entretanto, caso necessite, disponibilizamos atendimentos virtuais via Whatsapp, Skype ou outros recursos de Telemedicina, conforme orienta o Conselho Federal de Medicina.