Oito Passos para Prevenir Suicídio na Família

7 Vantagens da Auriculoterapia
26 de novembro de 2020
O Que Fazer numa Tentativa De Suicídio?
O que fazer numa Tentativa de Suicídio?
15 de setembro de 2021
Exibir tudo

Oito Passos para Prevenir Suicídio na Família

Oito Passos para Prevenir Suicídio na Família
Compartilhe

Por Dr Marcionilo Laranjeiras, psiquiatra,
Mestre pela USP

As taxas de Depressão e suicídio tem aumentado a cada ano no mundo. Perder alguém por suicídio é uma das maiores tragédias para uma família. Além disso, conviver com alguém com Depressão e risco de suicídio é um grande desafio. Poderemos nos sentir assustados, culpados, impotentes e desamparados. Por isso, este guia foi desenhado em 8 passos para ajudar familiares a tomar ações eficazes para prevenir suicídio de seus entes queridos.

PASSO 1: Pergunte ao Psiquiatra qual o Risco de Suicídio do seu Familiar.

Quando alguém na família está em crise de depressão, sua primeira tarefa é conhecer o risco de suicídio. Afinal, mesmo convivendo há muito tempo com a pessoa, o comportamento suicida é imprevisível. Portanto, apenas um psiquiatra está habilitado para avaliar e orientar sobre isto. Eles são médicos especializados em saúde mental e capacitados no manejo do risco de suicídio. Então, acompanhe seu familiar em consulta, garanta que você sairá da consulta ciente dos riscos de suicídio e que poderá fazer contato se necessitar.

PASSO 2: Monte uma “Equipe de Contenção Domiciliar”.

Ajudar uma pessoa em uma crise suicida é um esforço de equipe. Portanto, conte com a ajuda de familiares e amigos. Pergunte-lhes como podem ajudá-lo. Faça uma lista das pessoas que estarão dispostas a cooperar e compartilhe com elas o contato do psiquiatra. Por fim, encaminhe este guia e combine as ações sugeridas. Mas, deixe claro que ninguém é especializado no tema e a necessidade de orientação do psiquiatra é a regra.

PASSO 3: Execute Ações Imediatamente se Houver Riscos Significativos.

Haverá momentos em que seu familiar terá um risco maior de tentar o suicídio. Por isso, fique atento ao observar: piora dos sintomas de depressão, aumento do isolamento social, se houver comunicações suicidas orais ou escritas, buscas ativas de meios de suicídio na internet ou no ambiente domiciliar, tendências a sair de casa sem destino etc. Nestes momentos, você e seus familiares precisarão executar AÇÕES IMEDIATAS:

  • Faça contato com o psiquiatra e peça orientação;
  • Permaneça calmo;
  • Conte com outros da sua “equipe de contenção familiar” para vigilância 24 horas;
  • Se houver alguma chance de alguém se machucar, retire crianças e idosos frágeis do ambiente;
  • Se possível, remova itens que a pessoa possa utilizar em uma tentativa de suicídio.

Se o psiquiatra avaliar que o risco é pequeno, reduza o seu nível de prontidão. No entanto, observe se o seu familiar está mantendo o tratamento e as condutas prescritas.

PASSO 4: Transporte a Pessoa com Segurança.

Se o psiquiatra assistente julgar que seu familiar está com um alto risco de suicídio (ou tentou suicídio), ele precisa ser transportado numa ambulância com enfermagem treinada para um pronto-atendimento. Frequentemente essa remoção será realizada contra a vontade do paciente, mas o psiquiatra orientará o processo e fará contato com a equipe de transportes. Além disso, se necessitar, ele fará um encaminhamento por escrito para o psiquiatra plantonista que receberá o paciente. Por fim, evite transportar alguém por conta própria em carro particular.

PASSO 5: Conheça o Tratamento Hospitalar.

O paciente com alto risco de suicídio necessitará de hospitalização, onde o seu familiar será protegido pela equipe de saúde mental. Você e seu familiar farão entrevistas com a equipe buscando informações diagnósticas, sobre tratamentos prévios e fatores de risco. Seu familiar receberá cuidados intensivos, vigilância ao comportamento suicida, manejo de fatores de risco e sintomas mentais, psicotrópicos e terapias.

PASSO 6: Participe do Plano de Tratamento.

Durante a hospitalização, a equipe de saúde mental trabalhará com seu familiar para criar um plano de tratamento individualizado e você participará de reuniões para atingir esses objetivos. Podem se concentrar nos fatores desencadeantes da crise do paciente e serão adaptados a cada pessoa. Também envolverá o manejo de problemas de saúde física, relacionamento, ocupacional ou financeiro. É necessário incluir membros da família neste plano.

PASSO 7: Participe do Plano de Alta.

Logo que o paciente apresenta melhora dos sintomas e do risco de suicídio, a equipe elabora um Plano de Alta. Profissionais de saúde mental decidirão se o seu familiar poderá ir para tratamento parcial, dia ou noite. Eles escolherão a configuração que melhor atenda às necessidades de segurança do paciente. O acompanhamento também poderá ser feito via programa intensivo ambulatorial, se disponível. Certos tipos de terapias e medicamentos são perfeitamente administrados fora do hospital. Este processo progressivo de “desospitalização” permite que os familiares observem a resposta do paciente ao tratamento em “vida real”. A participação da Equipe Familiar de Contenção e do psiquiatra que vai acompanhar o paciente no ambulatório é crucial.

PASSO 8. Ajude seu Familiar nas Transições de Tratamento.

A transição entre o hospital e o ambulatório são momentos de preocupação com o suicídio, pois aos poucos o paciente retornará à “vida real” e precisará lidar com problemas de convivência, retorno ao trabalho, à escola. A família, paciente e equipe devem trabalhar na criação de um Plano de Segurança com os seguintes pontos:

  • Sinais de alerta individuais que podem sinalizar um aumento nos pensamentos de suicídio;
  • Atividades, apoios sociais e/ou membros da família que podem ajudar a distraí-lo dos pensamentos de suicídio e se concentrar nas razões para viver;
  • Pessoas a quem o paciente poderá solicitar ajuda imediatamente;
  • Profissionais a quem o paciente poderá pedir ajuda em caso de urgência;
  • Medidas a serem tomadas para manter o ambiente seguro e limitar quaisquer meios para a autoagressão.

Por isso, é importante checar todos os pontos com seu familiar. Você pode trabalhar em conjunto para ajudá-los a colocar em prática o plano de segurança. Se certifique de quem está incluído no plano e qual é o papel de cada um.

Guia: Oito Passos para Prevenir Suicídio na Família

Estamos Prontos para Te Atender

A Núcleo de Atenção ao Desenvolvimento Humano atua há mais de 20 anos em promoção de saúde física e mental, de forma integrativa, com o paciente no centro do cuidado. Estamos mantendo nossas atividades seguindo as medidas preventivas de segurança, conforme as orientações da Organização Mundial da Saúde para a pandemia do Coronavírus. Por isso, conte conosco para realizar as suas consultas presenciais de forma segura.

Marque uma consulta e descubra os benefícios dos nossos tratamentos!